Tadeu Cunha Rebouças e Maria da Conceição Maia Rebouças recebem Título de Cidadania Sergipana por iniciativa de Ana Lúcia

Escrito por Débora Melo Ligado TPL_WARP_PUBLISH . Publicado em Notícias

Em nome da Assembleia Legislativa de Sergipe, a deputada estadual Ana Lúcia entrega em mãos o Título de Cidadania Sergipana aos professores Tadeu Cunha Rebouças e Maria da Conceição Maia Rebouças. Ana Lúcia é autora do Projeto de Resolução que outorga a honraria.

“É com muita honra e especial satisfação que ocupamos a Casa do Povo Sergipano, na manhã desta quarta-feira, para homenagear e distinguir as trajetórias de vida de dois educadores que fizeram de nossa terra a plataforma sobre a qual formaram sua família e construíram uma brilhante trajetória profissional, mas também afetiva, que os credencia de modo incontroverso, para além de qualquer título ou formalidade, como cidadãos sergipanos”, destacou a deputada estadual Ana Lula ao saudar os queridos homenageados.

Por Conta de minha nacionalidade [portuguesa], nossos filhos e netos são também portugueses. Agora somos nós que adquirimos a cidadania deles. Somos todos Sergipanos. Junto com nossos filhos e netos, seguimos na construção de uma sociedade em que possamos zelar pela fraternidade e pelo respeito mútuo, almejando um futuro menos desigual para todos os sergipanos e sergipanas”, destacou a homenageada do dia, Maria da Conceição Maia Rebouças.


“É com muita emoção que agradecemos à Deputada Ana Lúcia Menezes por ter submetido a esta Casa a aprovação do Projeto de nos conceder a Cidadania Sergipana. Esta Casa é do povo sergipano, portanto, agora, é também a nossa casa. Nos sentimos acolhidos, e por isso, nosso muito obrigado”, completou o professor Tadeu Rebouças.

Os homenageados contaram que conheceram a Deputada Ana Lúcia a partir de trabalho desenvolvido por ela na Secretaria Estadual de Educação. “Esta é a sua luta e reconhecemos que nesta área vem deixando grandes e significativas contribuições. A Educação pública de qualidade é também, para mim e para conceição, o propósito de nossa vida profissional”, destacou Tadeu Rebouças.

Num discurso feito a “quatro mãos”, os professores emocionaram os presentes, ao rememorar a chegada a Aracaju e as histórias pelas terras sergipanas e destacou o papel das universidades públicas no processo de redemocratização do Brasil. “O movimento estudantil foi sempre muito atuante e presente. Reitores e Diretores de Centro passaram a ser eleitos pela comunidade Universitária”, apontando que ele foi o primeiro Diretor do Centro de Ciências Sociais Aplicadas eleito numa eleição direta pelos professores e alunos dos cursos daquele Centro.

Ana Lúcia reconheceu que “o empenho e o comprometimento com a educação das camadas populares demonstrados por nossa estimada professora Conceição confirmam as palavras de seu conterrâneo, o grande pensador luso Boaventura de Souza Santos: 'o sucesso é apenas uma consequência do que você procura ser, do amor e dedicação com que você exerce determinada atividade em sua vida'”.

Tadeu Rebouças não fez de Sergipe apenas local de sua moradia. Além dessa intensa participação na vida acadêmica e institucional do estado, marcou presença na constituição de um grupo de intelectuais orgânicos da Universidade Pública que contribuiu decisivamente para redesenhar, após a transição democrática, a gestão pública de Sergipe”, avaliou Ana Lúcia, contando que, desse grupo, despontaram quadros políticos como o saudoso Marcelo Déda.

Essa participação no debate político representa um compromisso com a sociedade que foi, antes e sempre, um compromisso de educador, como bem expressou o grande mestre Paulo Freire, ao pontuar que 'não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação'”, finalizou a parlamentar autora da propositura que concedeu o título aos professores.


Tadeu Rebouças

Nascido no Ceará, em 1945, Tadeu Rebouças é filho de Maria do Carmo e de João Cunha. Ainda muito jovem muda-se para Recife e dar seguimento aos estudos e à sua formação. Com muita dedicação, graduou-se pela Faculdade de Economia da Universidade Federal de Pernambuco em 1972. Já em 1974, inicia o Mestrado em Administração na Universidade Federal de Minas Gerais e começa a ensinar na Fundação Superior de Itaúna a disciplina Política e Programação Econômica. Chega a nosso estado em 1975, na condição de professor Colaborador da Universidade Federal de Sergipe, tornando-se, após aprovação em concurso, professor assistente, efetivo no quadro docente.

Ainda em 1977, passa a chefiar o Departamento, iniciando um percurso acadêmico que o levaria a assumir inúmeras funções na administração e na gestão de nossa Universidade Federal. Coordenador de Pesquisa da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa entre os anos de 1980 e 1984, foi Diretor do CCSA entre 1985 e 1989 e Coordenador do Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa entre 1990 e 1994. Teve destacada atuação como membro do Grupo de Reforma da UFS entre 1977 e 1979, na condição de membro do Centro de Extensão Universitária e do Comitê Assessor do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica no biênio 1989/1990.

Aposentou-se em 1995 da Universidade Federal de Sergipe e, em 1998, assumiu a Coordenação Pedagógica do Curso de Administração da recém-criada Faculdade de Administração e Negócios (FANESE). 

Sua atuação profissional em Sergipe na área de educação não se limitou ao ambiente universitário. Foi, por mais de uma década, instrutor do Projeto de Formação e Desenvolvimento de Pessoal junto à Petrobrás, colaborou com o Ministério da Agricultura, o Banese, a Escola Nacional de Saúde Pública e com o Governo de Sergipe, entre tantas atribuições. Em 2009, voltou à UFS como Conselheiro Titular do Conselho Diretor da Fundação Universidade Federal de Sergipe, tendo ocupado a sua vice-presidência entre 2011 e 2013 e a presidência entre os anos de 2013 e 2016. 

Maria Conceição

A professora Maria da Conceição Maia Rebouças é portuguesa, nascida na localidade de Vila do Conde, em 1948. Acompanhando os pais, Albina e Jaime, ao lado de oito irmãos, imigrou para o Brasil aos 12 anos de idade. A numerosa família se reuniria na capital pernambucana Recife a outros parentes que já haviam se instalado em nosso país.

Em 1972, graduou-se em Pedagogia, com especialização em Supervisão Escolar pela Universidade Federal de Pernambuco. Mesmo antes de completar sua graduação, porém, já se dedicava ao magistério, como professora de 1º Grau do Instituto Capibaribe, em Recife, onde lecionou de 1969 a 1973. 

Ao chegar a Sergipe, em 1975, aprovada em concurso da Secretaria Estadual da Educação, passou a exercer a função de técnica em Educação, trabalho que abraçaria até sua aposentadoria, em 1998. Especializada em “Educação no Mundo Subdesenvolvido” pela Universidade Federal de Sergipe, em sua apaixonada trajetória de educadora junto à Secretaria de Estado da Educação atuou em diversas frentes, ocupando inúmeras funções de destaque: Integrou a equipe do Programa de Assistência Educacional aos Municípios Sergipanos; foi Coordenadora do Grupo de Elaboração da Cartilha Ponto de Partida, dirigida à população da zona rural de nosso estado; coordenou o Grupo de Elaboração do Atlas Geográfico de Sergipe e foi Organizadora do Arquivo do Instituto de Educação Rui Barbosa (Escola Normal), entre 1985 e 1992. 

A professora Conceição foi também Supervisora Escolar em importantes centros de ensino público em nossa capital, nas Escolas de 1º e 2º graus Santos Dumont, na Atalaia, e João Alves, no bairro Grageru. 

Aprovada em concurso público federal em 1995, afastou-se para assumir atribuições na Delegacia do Ministério da Educação no biênio 1995/1996 sem, contudo, perder o vínculo. Com pouca identificação com a natureza burocrática do novo trabalho, regressa ao Estado para assumir novamente a função de Supervisora Escolar, desta feita na Escola de 1º Grau Paulino Nascimento, junto à comunidade onde possui residência, e ali se aposentou, coroando uma história de vida integralmente dedicada à educação pública.