Após indicação de Ana Lula, Governo do Estado muda nome de escola em homenagem a professora

Escrito por Paulo Eduardo Ribeiro Ligado TPL_WARP_PUBLISH . Publicado em Notícias

WhatsApp Image 2019 01 15 at 15.33.47O Governo do Estado de Sergipe reconheceu a importância da professora Maria da Glória Mota Cabral para a educação sergipana e alterou o nome da Escola Estadual Criança Feliz, localizada no município de Capela, em homenagem a essa educadora que tanto lutou pelo acesso das crianças pobres à educação pública. A mudança é fruto da indicação nº 104/ 2018 de autoria da deputada estadual Ana Lula (PT).

 

A homenagem à professora era uma reivindicação dos professores e das professoras capelenses à mulher que ao perceber que das 120 crianças que faziam a catequese no Centro de Catecismo São José, 42 não frequentavam a escola, bem como não tinham acesso a nenhuma instrução formal por causa de suas condições sociais. Sendo assim, fundou o Asilo São José da Infância Desamparada de Capela para que as crianças pobres tivessem acesso à escola.

 

Durante mais de cinco décadas, a instituição prestou seus serviços à população pobre capelense, graças a iniciativa, anseios e desejo de Maria da Glória Mota Cabral, que mesmo lutando contra um câncer no rosto, não desistiu de ajudar o próximo e sempre batalhou para conseguir recursos para o Asilo São José da Infância Desamparada de Capela. Após o seu fechamento, a escola continuou funcionando, sob tutela do Estado, no mesmo prédio com a denominação de Escola Criança Feliz, o que motivou educadores a buscarem a mudança no nome da instituição.

 

Para a deputada Ana Lula, autora da indicação que possibilitou a justa homenagem a Maria da Glória Mota Cabral, a mudança no nome da escola tem um papel de reconhecimento histórico e de preservação da memória do povo capelense. “Apesar de poucas pessoas em Capela conhecerem a batalha e história dessa mulher, acreditamos que ao homenageá-la o Estado e cumpre seu papel de guardião da história e da memória para com essa cidadã capelense que buscou durante sua vida amparar aqueles que viviam à margem da sociedade em um momento da história do país em que o Estado ainda não tinha assumido seu dever constitucional para com o bem-estar social. Ela foi uma mulher à frente do seu tempo”, explica a parlamentar.