Famílias de Maruim foram atendidas pela Secretaria

Ligado TPL_WARP_PUBLISH . Publicado em Notícias

Desde os primeiros momentos das chuvas fortes no município de Maruim que a secretária da Inclusão, Ana Lúcia, está naquela área atendendo as famílias mais afetadas pela destruição. Colchões, lençóis, cobertores e filtros são alguns dos produtos distribuídos pela Secretaria de Inclusão Social para atender às vítimas da enchente. Na última semana foram distribuídos mais colchões, filtros de água, cestas de alimentos, lençóis e cobertores.

 

Até o momento, cerca de 300 pessoas já foram beneficiadas pelas doações. Todo o material em estoque foi distribuído e agora Ana Lúcia trabalha para a aquisição de novos produtos que irão beneficiar aquela comunidade. Além dos produtos que já vêm sendo distribuídos, a secretária vai adquirir produtos como mesas, cadeiras e fogões, que serão distribuídos para aquelas famílias que perderam tudo na inundação.

 

Ao todo, foram entregues, até o momento, 359 colchões de casal, 248 colchões de solteiro, 198 lençóis de solteiro, 200 lençóis de casal, 253 cobertores, 150 filtros e quatro enxovais de bebê.

 

Casas - O levantamento feito pelos técnicos da Secretaria da Inclusão Social constitui em averiguar, entre outras coisas, qual é a composição familiar, as necessidades de cada família e o que perdeu com a enchente. Além de controlar as doações, esse levantamento visa traçar um diagnóstico preciso da situação na cidade após a enchente. Até o momento, cerca de 1200 pessoas já foram cadastradas.

 

Esse levantamento servirá também para que a secretaria tenha uma idéia de quantas casas precisaram ser construídas pelo estado no município. A secretária Ana Lucia já esteve em Brasília pedindo a liberação de recursos para a construção das casas em Maruim. ""Em relação às casas, nós já temos um terreno da prefeitura e outro do Estado. Neles, nós esperamos construir cerca de 300 casas, dando prioridade para as cerca de 70 famílias que estão desabrigadas. A intenção é retirar todas as pessoas que moram nas áreas de alto risco da cidade"", destacou Ana Lucia.